Digisoul

Venha você também ser o salvador do mundo, torne-se um Rei Xamã!
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Profundezas das florestas de Londres

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Makkiu

avatar

Mensagens : 7
Data de inscrição : 12/07/2012

MensagemAssunto: Profundezas das florestas de Londres   Sab Jul 14, 2012 12:48 pm

Spoiler:
 

Em batalha e até que se prove o contrário, sempre há alguém mais forte e em meio a algo como a Shaman Fight, isso significa necessidade imutável de treinamento. Ciente disto, desde que mudara-se para a Londres, Makkiu começara uma busca por um local adequado para treinamento.

Seria óbvio dizer que o objetivo de buscar um local de treinamento é evitar danos à cidade e às pessoas comuns ao mesmo tempo que oculta suas técnicas dos oponentes. Óbvio e errôneo já que lutar iria revelar sua técnica. O objetivo real é manter em segredo a existência da Shaman Fight e para isso sequer era preciso se afastar de Londres. Que lugar melhor para isso que a área mais fechada de uma floresta?



[Somente administradores podem ver esta imagem]

- Devias de ter usado Gáe Buide para diminuir os arbustos ao invés de procurar um ponto mais alto.
Falava Diarmuid quando finalmente chegaram em um ponto no qual os arbustos não atrapalhariam a movimentação. Não creio que calculista como és, pretendas treinar em um ponto fixo desta floresta.

- Precisava da caminhada para completar o aquecimento. Respondia Makkiu a desenrolar Gáe Buide. De qualquer jeito, andar com ela por aí chama bastante atenção.

- Sobraram apenas as lanças já que o tempo consumiu Beagelltach e Moralltach. Lembrava suas espadas irregulares cujas lâminas foram cobertas pelo ferrugem ao longo de vinte e oito séculos até que se tornassem inutilizáveis. Estais a dizer que preferias ter encontrado Gáe Derg primeiro?


- Não. Seria mais fácil andar por aí com Gáe Derg, sem dúvidas, mas não tenho habilidade em combate para lidar com o pequeno alcance dela. Seu tom era análito e sincero. De certa forma forma fazia Ua Duibhne satisfeito o bastante para dar um riso abafado. Gáe Buide me parece mais segura para batalhas e sua especialidade é com lanças então é bom que tenham sido elas a resistir.

- Bem, visto que não tens experiência para ter segurança em batalha, vou te passar apenas as técnicas em que não te afastas da lança. Colocava-se ao lado do Shaman estendendo o braço em sinalização para que também o fizesse. Como disseste, minha espacialidade era com lanças. Minhas espadas eram apenas minha garantia para quando eu tinha que jogar ambas em meus adversários e eram correspondentes em peso e diferença de alcance.


- Beagelltach, A Pequena Fúria, menor e usada na ausência de Gáe Derg, e Moralltach, A Grande Fúria, maior e usada na ausência Gáe Build.
Recitava em resposta a um aceno de Diarmuid que parecia querer testar sua atenção e compreensão. Nada além... Nada, nem um...

- Nem um escudo, isso!
Acenava animado com um sorriso orgulhoso no rosto. Minhas defesas eram baseadas nos alcances de minhas armas e te ensinarei hoje a que te cabe: Cosanta Cyclone.

- "Ciclone de Proteção"... pela postura que me fez assumir, deduzo que eu deva girar a lança formando uma barreira. Antecipava a explicação do guardião com base na conversa até o momento. De Gáe Buide então é ideal para ataques de longo alcance, certo?

- Muito bem, muito bem mesmo! Exclama com a animação de uma criança prestes a começar a brincar. Deves girar a lança primeiro com a mão e a partir do centro. Depois, para manter o ciclone, deves alternar teus dedos os usando em estocadas no relevo do cabo, isso fará a defesa mais forte quanto mais usada.

- Eixo central, impulsão centrípeta... Entendi. Falava a memorizar, ou tentar memorizar cada entalhe da lança. Diarmuid, forma de bola de fogo.

Tão logo o Fianna era incorporado o treino começava. Primeiro Makkiu tentou usar o peso da lança para iniciar o movimento, tanto com a Gáe Buide na horizontal quanto na vertical. A velocidade inicial fora tão baixa em ambos os casos, que a arma saira pulando pelos arbustos na primeira estocada dos dedos.

Diarmuid dizia que deixara Makkiu mudar a postura porque esperava que ele mudasse o princípio dos giros. Tinha que usar a própria força e foi o que fez na terceira tentativa. Fez tão bem que graças ao Hyoui Gattai acabara jogando a lança em uma árvore cinco metros a leste de onde estava a treinar. Na quarta tentativa a lança acabou fincada no chão e na quinta voou sete metros até um tronco caído a oeste.

Na sexta tentativa, finalmente entendera a altura e o tempo para avançar com os dedos, mas descobrira que tentar estocar com o indicador era perda de tempo: o dedo médio era maior, chegava primeiro e acabou lançando Gáe Buide como uma hélice até que se chocasse com uma pequena elevação rochosa dez metros à frente. Diarmuid dissera que deveria estocar com o indicador só depois de estocar com o médio.

A sétima tentativa seria uma réplica da sexta se não fosse o êxito em estocar com o dedo médio. Makkiu então analizou na oitava tantativa, que fora uma repetição fiel da sétima, o movimento dos dedos e sincronizara-o em um feed back negativo calculado para compensar a diferença: quanto retraía o médio já estava prestes a alcançar a lança com o indicador, quando retraía o indicador já estava prestes a tocar a lança com o médio.

Depois do êxito, a nona tentativa se extendou por muito. O Shaman passara a alternar a mão que controlava a rotação refazendo a estimativa dos movimentos e aplicando nos braços o feed back dos dedos. Diarmuid dissera que deveria tentar agora usar os cinco dedos de cada mão.

Fora surpreendentemente fácil usar três dedos e alternar entre os membros assim, mas ao tentar passar a usar quatro dedos, encerrara a nona tentativa. Conseguira usar quatro dedos na décima tentativa, mas só dominara com os cinco na décima primeira. Só nas duas últimas tentativas tivera que correr cinquenta metros para achar Gáe Buide.

Spoiler:
 

- Espero que a próxima técnica seja mais fácil de aprender porque tenho certeza que só consegui essa por causa do Hyoui Gattai. Dizia Makkiu caído por sobre a relva. Estava ofegante, ensopado de suor e devido às horas que passara treinando, nem sabia quantas, mas sabia que foram horas, exausto. Já aviso que não vou conseguir treinar mais do que outra técnica.

- Não se preocupe, eu levei anos para criar Cosanta Cyclone, mas a próxima técnica surgiu por acaso. Respondia Diarmuid, ainda incorporado. Basicamente só é preciso dominar Cosanta Cyclone para usar a próxima.

- Primeiro foi uma defesa, estou certo em pensar que agora será uma ataque? Pergntava se levantando. Bem, vamos lá.

- Será sim um ataque, e bem simples. Tão simples que criei poracaso a partir dos meus incontáveis erros em dominar àquela defesa. Naquele momento Makkiu entrava em guarda. Não, não. Tu deves usar Cosanta Cyclone e só depois assumir postura de estocada, para lançar a estocada.

- Lançar a estocada? Indagava já com alguma compreensão do que seria o golpe. Queres dizer, estocar com o ar?

- Lembras que quanto maior o tempo pelo qual é usada, mais forte é Consata Cyclone? A voz do Fianna Eirin tinha um tom meio tímido e meio cômico. Esse ataque é simplesmente lançar essa força contra o oponente. O descobri ao longo de milhares de vezes em que Gáe Buide voava quando eu fazia uma defesa falha.

Um entendi depois, Makkiu estava a executar Cosanta Cyclone. Ele queria ver a extensão daquele ataque que se fosse tão simples quanto Diarmuid dissera e quanto havia imaginado, dominaria em sua primeira tentativa. Assim, quase cinco minutos de giros depois, o Shaman assumia a postura de estocada que de tão diferente da exigida pela defesa, já era por si só um ataque. A pequena elevação rochosa dez metros à frente, que havia parado Gáe Buide na sexta tentativa de dominar Cosanta Cyclone, parecia explodir quando acertada pela onda de impacto.

- Treo Sá, é o nome do ataque. Dizia o lanceiro contemplando o êxito de seu protegido. Não esqueça que saber o nome de uma técnica faz uma grande diferença na forçada com que é usada. Que tal treinar mais um pouco?

- É bom que eu me acostume com o ataque, mas não treino um segundo a mais que uma hora. Respondia meio ofegante. Vais ter que me passar diariamente treinos com lança.

Ua Duibhne assentia e na hora seguinte a área em que estavam a treinar mudou radicalmente. O efeito de Treo Sá era devastador e em meio ao solo de terra batida, sujava as roupas que era uma beleza. Três horas, duas refeições e um banho depois, Makkiu estava a dormir exausto enquanto Diarmuid via televisão... De novo.


Última edição por Makkiu em Ter Jul 17, 2012 11:46 am, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Grande Espirito
Admin
avatar

Mensagens : 47
Data de inscrição : 16/03/2011

MensagemAssunto: Re: Profundezas das florestas de Londres   Seg Jul 16, 2012 4:41 pm

Cosanta Cyclone +5 Vig -3 Fur

Treo Sá +3 des -3 Fur
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://digishaman.forumeiros.com
Makkiu

avatar

Mensagens : 7
Data de inscrição : 12/07/2012

MensagemAssunto: Re: Profundezas das florestas de Londres   Qui Jul 19, 2012 11:24 pm

Spoiler:
 

Um silvo rápido cortava silêncio enquanto um chute cortava o ar. Era lateral, o chute, vinha depois de uma pequena corrida e era executado pela dupla composta entre Shaman e Espírito Guardião, Makkiu e Diarmuid, vendados. Em um salto lateral mais rápido, um velho de chapéu e com uma chave pendurada no pescoço, escapava do golpe.

Ainda no ar Makkiu avançava sua mão contra o pescoço do velho, na direção da chave que o livraria daquela venda, mas antes de alcançar, era alcançado pela mão daquele homem que puxava-lhe pelo braço direito e o fazia descrever uma circunferência no ar até fincar o braço esquerdo no chão e deter o giro. Quando os pés do Shaman tocavam o chão, um impulso o lançava para longe de seu oponenete e libertava-lhe o braço direito.

- Seu progresso está ótimo, levando em consideração que você está nisto há quatro semanas. Falava o velho sem ter nem mesmo uma gota de suor derramada. Basta por hoje.

Makkiu estava suado e ofegante. Fosse física ou mentalmente, o desgaste a que estava a se expor era muito intenso e se prolongava há exatos vinte e oito dias. Tudo começara no dia seguinte ao primeiro treinamento com Diarmuid. Apesar do aquecimento antes do treino no dia anterior, seus braços estavam enrijecidos, suas costas em cãimbras e suas pernas ainda latejavam das pelo menos duas horas que passara em pé.

Já esperava que a diferença de habilidade entre ele e Diarmuid o levasse a efeitos colaterais, mas aquilo estava além do que imaginava. A Shaman Fight nem sequer tinha começado, Makkiu nem sequer havia lutado, mas estava praticamente incapaz de se mover. Precisava treinar para superar isso, precisava habiturar seu corpo à tensão que as técnicas do Fiana Eirin lhe colocariam e precisava ser capaz de usá-las com a mesma propriedade que seu criador.

Não havia opção senão ampliar sua capacidade física e seu sincronismo com o espírito guardião ao máximo. E foi com essa ideia que fizera o terrível esforço de, fadigado muscularmente, levantar da cama e ligar para um velho conhecido. Ua Duibne perguntava do que se tratava e Makkiu respondia que seria complicado explicar por nem ele saber todos os detalhes, que deveriam esperar e que o faria dormindo. Assim foi até o dia seguinte quando a campainha tocou.

- Há quanto tempo, Reagan! Há quanto tempo tinha dito aquela frase? Não parava de se perguntar ao ver aquele senhor grisalho, de cabelos crespos, olhos castanhos e uma combinação entre chapéu e camisa floorida que o deunciava mais como turista. Boas vindas!

[Somente administradores podem ver esta imagem]

- Muito tempo mesmo, garoto! Dizia abraçando o de certa forma desconfortável, Makkiu. É uma honra conhecer um honrado herói do ciclo Feniano.

O velho soltava aquele que parecia seu neto e fazia meia reverência a Diarmuid que demonstrava certa surpresa em relação ao fato de ser visto, mas antes que pudesse falar algo, o barulho do motorista do táxi repousando as malas frente à porta o calava.

- Não, não, meu jovem. Falava ao motorista. Estamos aqui apenas para pegar esse meu aluno. O destino é ele que define.

Dito isso, Raegan voltava para o carro seguido de Makkiu e do mototista que carregava sua bagagem de volta à mala. Naquele instante Ua Duibne entendeu que seguiriam para a floresta em que havia treinado e que de alguma forma, seria aquele velho o treinador deles.

Ficara em silêncio, o Fianna Eirin, como seu protegido instruíra fazer ao saírem com pessoas comuns. Algum tempo depois estava na floresta em que ele e Makkiu haviam treinado. Alguma caminhada depois estavam em uma área totalmente diferente daquela floresta em que haviam estado.

- Se bem o conheço, pretendes começar a te desculpar por não ter me explicado a cituação antes e por ter feito este senhor vir até cá. Falava Diarmuid rompendo o silêncio. É igualmente uma honara conhecê-lo, senhor Reagan.

- Disseste tudo, Sir. Concordava o velho com Diarmuid. Atreve-te a nos contradizer agora, Campbell.

- Francamente, por que os Fianna e os Druida tinham que ser tão parecidos em pensamento? Falava como que reclamando da aliança que seus dois amigos fizeram. Rapidamente notava a curiosidade no rosto do lanceiro. Glendalough, onde nasci, é um lugar cheio de lendas e misticismo, ou seja, empanturrado de Druidas. Graças ao meu talento espiritual e interesse em magia acabei treinando com eles, em especial com um que tão fascinado pelo oriente quanto eu, pesquisou a fundo os rituais orientais e várias formas de luta.

- Este seria eu. Pronunciava-se Reagen apontando para si mesmo com um sorriso gentil e os olhos fechados. Lembrava mesmo a figura frágil de um avô. E cá estou para maximizar o sincronismo entre vocês.

- Séculos depois da sua era, descobriu-se que como mecanismo de auto proteção, o corpo humano tem sua capacidade física limitada a um quinto do máximo, exceto em situações extremas. Adiantava-se Makkiu às perguntas de Ua Duibne. O que Reagan vai fazer é ministrar um treinamento de arte marcial em que memorizei essa situação extrema e passarei a usar toda a minha capacidade física.

- Não vamos perder tempo. Coloque isso. Entregava para Makkiu uma venda que na frente tinha uma placa de ferro e atrás era lacrada por uma chave. A forma mais comum sob a qual o corpo usa toda sua capacidade é o reflexo e para forçar o corpo a um estado em que o reflexo seja certo, isto ajudará a criar um estado de alerta.

- Entendo, sem a visão os demais sentindos se ampliarão. p Falava Diarmuis enquanto Makkiu terminava de colocar a venda. As reações se ampliarão.

- Farei esse treino com o Hyoui Gattai continuamente ativado, assim não apenas o sincronismo físico, mas também mental será ampliado ao máximo. Falava o Shaman estendndo a mão direita. Diarmuid, forma de bola de fogo.

- O normal seria começar com o básico, mas levando em conta a experiência de Fianna Eirin, estou certo que poderão acompanhar meus movimentos. Dizia com um olhar sério ao ver que Shaman e espírito guardião já estavam em Hyou Gattai. Vamos simplesmente ignorar a base: a chave que abre a venda está pendurada no meu pescoço, peguem-na!

Quatro semanas depois, todos os dias naquela floresta se resumiram, com exceção das refeições e horas de sono, a tentativas de tirar a chave de Reagan. Graças a junção do que Makkiu e Diarmuid tinham memorizado do lugar, era excepcionalmente fácil se mover na floresta, sentir a presença do oponente, atacá-lo, mas o velho era versado em tantas artes de combate que respondia mais que a altura.

Na vigésima nona noite, após ser dispensado por Reagan e receber dele o prato do jantar, o Shaman cuidara em dormir logo. Não parava de contar quantas vezes tinha simplesmente pensado em desistir, por mais que quisesse não parava. Aquilo o aborrecia ao ponto de querer dormir. Logo após o treinamento do primeiro dia, Makkiu combinara com Diarmuid que o Fiana deveria manter o corpo imóvel enquanto dormia, mas deveria ele enquanto espírito guardião se manter acordado para manter o Gattai Hyoui e assim fora até aquela noite.

Para a surpresa do Shaman ele se via sonhando. Sonhando com um homem morto, de estômago perfurado e sangue escorrendo pela boca. O rosto com a familiar mancha sob o olho esquerdo empalidecia, sonhava com a morte de Diarmuid e com lampejos daqueles que o herói havia enfrentado por sua amada. Makkiu acordava silencioso, imóvel e com a certeza que depois de quase um mês incorporado initerruptamente, o espírito guardião recomeçava a sentir sensações básicas como sono, que ele conseguia compartilhar as lembranças do amigo, que Hyoui Gattai estava mais forte que nunca.


O Hyoui Gattai estava mais forte que nunca e a razão por trás dele também. Desperto, Makkiu lembrava das férias em que conhecera Diarmuid. O cavaleiro estava deitado em uma floresta, próximo a um castelo em Kerry. Apático, sem demonstrar emoção. Deveria ter sido consumido pela culpa quando Fiann não o salvara, deveria ter sentido-se como o ladrão da esposa de seu líder e não deve ter se perdoado por ter sido conquistado por uma mulher que simplesmente não podia e mesmo que pudesse não quereria culpar. Makkiu levara as férias interias até conseguir apelar ao juramento dos Fianna Eirin e relembrar ao lanceiro como falar e se mover.

- Vamos, Diarmui. Dizia lembrando do que prometera a Ua Duibne naquele dia, que o ajudaria a seguir em frente porque também queria ser capaz disso, porque também conhecia a solidão e era egoísta demais para compartilhar seu conhecimento. Esse treinamento acaba hoje.

Seguindo, como de costume no último mês, o cheiro da comida, Makkiu aproximava-se de Reagan que assumia postura de combate no instante em que o Shaman negava à refeição balançando a cabeça. Um segundo depois, tomado pela determinação de cumprir sua promessa, avançava.

Corria a toda velocidade em direção ao velho e enquanto saltava, fazia um movimento de estocada com o braço direito. O Druida defendia com os antebraços cruzados e tomava com a mão esquerda o braço deireito de Makkiu que reagia estocando agora com a mão esquerda, rapidamente imobilizada pelo braço direito de Reagen.

Quantas vezes aquilo se repetira? Braços cruzados e imobilizados, a única escapatória era usar a diferença de altura para desequilibrar o velho em um salto e se soltar, mas não daquela vez. Repleto de sua determinação, Makkiu avançava deslocando os próprios ombros e acertava com a placa de ferro da venda, a testa de Reagan, e tomava a chave quando o velho caía.

- Parabéns, você encontrou seu caminho na escuridão. Dizia o velho começando a curar sua testa ferida. Trinta dias, bem dentro do prazo do meu passaporte.

- Você é um Druida de alto nível, versado nas mais variadas artes e sabedorias e me vem para outro país sem renovar o passaporte! Seus braços tremiam deslocados. A dor que os movimentos de usar a chave causavam o fazia suar. Vamos voltar logo, seu ciranção.

Depois de curar os braços de Makkiu, que pela primeira vez desde o início do treino via a luz e desfazia Hyoui Gattai, Reagan removia as barreiras que havia colocado ao redor da floresta e seguia com o Shaman para o aeroporto. Lá entregava um pequeno embrulho ao se despedir do Shaman, agora com capacidade a 100%.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Grande Espirito
Admin
avatar

Mensagens : 47
Data de inscrição : 16/03/2011

MensagemAssunto: Re: Profundezas das florestas de Londres   Sex Jul 20, 2012 4:37 am

Conseguiu! Parabéns agora você tem a incorporação com 100% de aceitação!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://digishaman.forumeiros.com
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Profundezas das florestas de Londres   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Profundezas das florestas de Londres
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» ModelZone Londres !

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Digisoul :: Fórum :: Shaman Fight: Europe :: Areas da Europa :: Florestas Escondidas-
Ir para: